Sábado, 10 de Fevereiro de 2007
MONSTRO DO MESMO

A volta do ‘monstro do Mesmo’

Quem é você? - gritou o presidente Lula.

-Eu sou o Mesmo! - respondeu a voz. No fundo do corredor do Palácio da Alvorada, uma massa nebulosa girava sobre si mesma, como um fantasma-bailarino. D. Marisa já dormia, Brasília também.

-Já é tarde da noite, não há ninguém aqui… Quem é você? - gritou o presidente para a nuvem.

- O Mesmo, o Mesmo! - respondeu o abantesma.

Lula pensou: “É um pesadelo…”

A voz adivinhou:

-Não sou um sonho. Sempre estive aqui, esperando. Eu estive aqui com Collor, estive com FH. Agora com você… Eu volto sempre. Eu sou o Mesmo…

O fantasma tinha vagos contornos humanos, rostos mutantes, olhos, bigodes em meio a névoa.

- Que você quer de mim? - balbuciou Lula, com os gelinhos do uísque tilintando em seu copo.

- Eu vim aqui lhe agradecer, pois você já chegou aonde eu quero: no mesmo, no mesmo… Quero te saudar porque já tive medo de você… como uma Regina Duarte do além… Eu achei que seu governo ia mudar o país, me senti ameaçado, acreditei que havia um resíduo ético nos petistas e que você detinha um grão de romantismo idealista. Achei que iam aprofundar as mudanças democráticas, fiquei com medo que você aperfeiçoasse o Plano Real, fizesse reformas no Estado, cortasse despesas etc… E aí, eu tremi de medo dentro de meu pântano; saí de meu torpor, farejei o ar, inquieto, mas agora estou calmo. Graças a Deus, você só teve a esperteza inercial de manter a política do FH com o Palocci, mas não mexeu em nada, não mudou nada e foi organizando esta zorra, esta bela congestão institucional que temos agora, que coroa minha volta triunfal. Eu estava dormindo há muito tempo no bolso do jaquetão do Sarney e, agora, saí aliviado.

- Mas eu sou o povo no poder, eu sou o novo!

- Que “novo”, presidente… (e a massa girava com um ruído de gargalhadas) que novo… você… perdão… o senhor é um alpinista social, o único pobre que subiu na vida nesse governo, o senhor era a esperança popular e agora é só um símbolo vazio… Quando eu vi a fome dos petistas invadindo o Estado como uma porcada magra no batatal, quando eu vi que não havia programa, Deus seja louvado, que vocês se perdiam em discussões vazias e não sabiam administrar nada… eu sosseguei…

- Mas eu vou ser reeleito…

- Tomara, presidente… aliás, voto no senhor… E sua reeleição será uma bela vitória do atraso nacional, apoiado por massas que não entendem o que o senhor significa e pelos intelectuais que não conseguem se livrar de seu feitiço…

- Por que eles me amam tanto?

- Eles são fascinados por sua sagrada ignorância, sua carinha barbuda, porque você aplaca suas más consciências, porque você é um conceito que eles não conseguem superar: um vago populismo estatista com tintas socialistas… o senhor é a tara dos intelectuais… E eu só tremi de novo quando surgiu o Roberto Jefferson. Aí, eu entrei em pânico dentro do jaquetão do Sarney: “Pronto! O povo vai descobrir a verdade ! E eu, o atraso endêmico, eu, o Mesmo, serei desmascarado!”… Mas você foi perfeito… Aliás, que grande ator você é, presidente!… Os mensalões lhe batiam como insetos, os sanguessugas mamavam, as cuecas inchavam, e você conseguiu segurar tudo no mais grandioso cinismo, como um Ademar, um Quércia… Juro: eu fiquei com orgulho quando você declarou que “não sabia de nada…”

- Ah… bondade sua…

- Claro que não foi só você que fez meu jogo… Quando pintou a verdade do Jefferson, o sistema todo se agitou e me defendeu - a paralisia dos tribunais oportunistas me defendeu, a sordidez dos deputados me defendeu absolvendo criminosos, os votos secretos corporativos, os depoimentos cínicos, o Severino, todos me defenderam contra o mundo que Jefferson revelou, e eu respirei de novo, vendo que tudo continuaria como sempre foi… E, hoje, temos um país deprimido e impotente para reagir, assistindo ao maravilhoso festival de mentiras, onde nada de bom acontece nem consola; em suma, um país perfeito para mim, pegajoso, inviável para sempre… Vocês conseguiram paralisar o progresso que se anunciava: a moralização política, um funcionamento republicano e democrático. Você revigorou o personalismo populista de um getulismo tardio que vem aí… Parabéns…

- No segundo mandato… eu…

- Vai fazer o quê, no segundo mandato? Contrariar o PMDB, o Calheiros, o Sarney?… Ora… presidente… V.Exa. não tem vocação para o martírio…  Você… o senhor é jeitoso, sabe nadar no pântano, ao contrário do Collor, que “queria” ser banido. Aliás, seu governo e o do Collor são parecidos, só que você substituiu um PC do Collor por uma matilha de PCs. O senhor é um Collor do povão, e por isso ninguém tem coragem de lhe “impichar”, e olha que o Collor saiu por muito menos, hein, na boa, na moral, presidente, desculpe…

- Como assim?

- Assim como os comunas acham que os fins justificam os meios, o senhor pensa: “Eu justifico os meios!” O senhor que ser eleito acima dos poderes e gostaria de ser um Chávez cordial, um Chávez aceito pelos bancos, pelo Bush… O senhor quer o êxtase da aceitação total, e vale tudo para isso. O senhor vai substituir o atraso tradicional por um atraso travestido de novo, um programa que será um vago ensopadinho de slogans populistas com um estatismo inchado e falido. E, no seu segundo governo, vai crescer o quisto sebáceo do empreguismo, do aparelhamento do Estado-mamãe, com os 40 mil cargos dos petistas que jamais largarão essa boca… Você é meu herói!…

- E você? Quem é você?

- Eu sou o orgulho de não ter sentimentos, sou a inércia primitiva do Brasil. Tenho a grandeza da vista curta, a beleza dos interesses mesquinhos, tenho a sabedoria dos porcos e das toupeiras. Eu sou aquilo sem nome que transforma tudo que é público em privado. Eu não sou uma mosca na sopa do país, não. Eu sou a sopa brasileira.
Dito isso, a “coisa” parou de girar e sumiu como um pequeno tornado no fundo do Alvorada.

Lula tomou um golão, foi dormir e sonhou, sorridente, com o Bush e Chávez, que gostavam tanto dele…
 
“O que mais preocupa não é nem o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, dos sem caráter, dos sem ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons.” - Martin Luther Kin

MONSTRO DO MESMO”
por Arnaldo Jabor
(O Globo de 08/08/2006)

                                                                                           



publicado por quatroventos às 00:05
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
-$-$-$

Counter From POQbum.com
posts recentes

A volta por baixo

Jorge Oxossi Amado

A cebola e a árvore de na...

A Éstoria de João e joana

A Eloquência e o Brasilei...

Teatro de bonecos

Sabiás e rouxinóis

Três mortes

GEOGRAFIA FEMININA E MASC...

Emboscada

arquivos

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

blogs SAPO
* .* .*

POQbum.com
POQbum.com

* * *
Locations of visitors to this page
+..pi
free hit counters by free-counters.net
zique do pi
* .* .*

Zangy Comment Graphics
* .* .*

POQbum.com
POQbum.com

* .* .*

Zangy Comment Graphics
* .* *

Zangy Comment Graphics

POQbum.com
POQbum.com

* .* .*

Zangy Comment Graphics